BIOGRAFIA

Artur Bordalo (Lisboa, 1987) é hoje conhecido como BORDALO II, nome artístico escolhido em tributo ao seu avô, promovendo a continuidade e reinvenção do seu legado artístico.

A sua infância foi marcada pela companhia do seu avô, o pintor Bordalo, a sua incessante paixão pelas aguarelas e as suas aventuras no graffiti ilegal em Lisboa.
Os três anos que passou na universidade de Belas Artes de Lisboa, fê-lo descobrir a escultura e a experimentação com vários materiais distanciando-o da pintura, a sua expressão de arte original levou-o ao primeiro lugar.

O espaço público torna-se a tela escolhida para suas explorações em cor e escala e a
plataforma onde ele gradualmente transformou seus hábitos e canalizou suas experiências em construção e desenvolvimento de seu trabalho artístico, actualmente focado em questionar a sociedade materialista e gananciosa a qual ele (também) pertence.

A produção excessiva de “coisas” ou o consumismo exagerado, que resulta na constante produção de “lixo” e, consequentemente, na destruição do nosso Planeta, são os principais temas de sua produção artística.
Esse “lixo” torna-se a matéria prima singular e peculiar que ele usa na construção de peças de pequena ou grande escala que espalhou pelo mundo e que visam acima de tudo, a ser um manifesto universal.